sábado, 7 de junho de 2014

Marina diz que Rede não seguirá aliança do PSB com PSDB em SP

Pré-candidata a vice de Campos, Marina disse considerar apoio 'equívoco'.
Diretório estadual do PSB decidiu na sexta apoiar chapa de Alckmin.


A pré-candidata a vice-presidente da República pelo PSB, Marina Silva, afirmou neste sábado (7) em nota divulgada em sua página no Facebook que considera um “equívoco” o diretório do partido em São Paulo apoiar o projeto político do PSDB nas eleições deste ano. Marina compõe a chapa que tem o presidente do PSB, Eduardo Campos, como provável candidato à presidência da República.

Nesta sexta-feira (6), em votação unânime, os membros do diretório do PSB em São Paulo aprovaram o indicativo de coligação do partido com o PSDB nas eleições de outubro. O PSDB deverá tentar reeleger Geraldo Alckmin para o cargo de governador. Os membros do PSB também apoiaram a candidatura do deputado federal Márcio França, presidente estadual do PSB, como vice de Alckmin.

Marina se aliou a Eduardo Campos por não ter conseguido fundar a Rede Sustentabilidade, partido que lhe permitiria lançar candidatura própria. “Juntamente com todos os integrantes da Rede Sustentabilidade, discordo da indicação aprovada ontem na reunião do diretório estadual do PSB de São Paulo de apoiar o projeto político do PSDB. Para nós, isso é um equívoco”, declarou Marina em nota.

A pré-candidata defende que o PSB mantenha independência no estado e lance candidatura própria. A expectativa de Marina é que a decisão do diretório do PSB seja alterada na convenção estadual da sigla. "Desde já, deixamos clara nossa posição de que, caso essa indicação não seja revertida, seguiremos caminho próprio e independente em São Paulo."

"A Rede Sustentabilidade não seguirá essa indicação. Em todo o país, estamos debatendo o assunto e apoiando nossos companheiros de São Paulo na busca de uma alternativa que supere a velha polarização PT-PSDB, e que proporcione apoio efetivo à candidatura de Eduardo Campos", diz a nota.

A pré-candidatura da chapa composta por Marina Silva e Eduardo Campos foi anunciada em maio deste ano. A formalização da chapa socialista, com a homologação das indicações, deve ocorrer no final de junho, durante a Convenção Nacional do PSB.

Marina se filiou ao PSB em outubro de 2013, após a Rede Sustentabilidade ter o seu registro rejeitado pelo Tribunal Superior Eleitoral. A Corte considerou não haver comprovação do número mínimo de assinaturas previsto em lei para a fundação de partidos.

Veja a nota completa de Marina:

Juntamente com todos os integrantes da Rede Sustentabilidade, discordo da indicação aprovada ontem na reunião do diretório estadual do PSB de São Paulo de apoiar o projeto político do PSDB. Para nós, isso é um equívoco. Consideramos necessário manter independência e lançar uma candidatura própria, que dê suporte ao projeto de mudança para o Brasil liderado por Eduardo Campos, e que dê ao povo de São Paulo a chance de fazer essa mudança também no âmbito estadual.

A Rede Sustentabilidade não seguirá essa indicação. Em todo o país, estamos debatendo o assunto e apoiando nossos companheiros de São Paulo na busca de uma alternativa que supere a velha polarização PT-PSDB, e que proporcione apoio efetivo à candidatura de Eduardo Campos, que demonstre uma nova forma de fazer política e, principalmente, que represente os ideais de democracia e sustentabilidade expressos no programa de nossa Aliança.

Esperamos que os companheiros do PSB, em sua convenção estadual, não levem adiante essa proposta. Nesse sentido, manteremos o diálogo aberto e respeitoso. Mas, desde já, deixamos clara nossa posição de que, caso essa indicação não seja revertida, seguiremos caminho próprio e independente em São Paulo.

A nova força política que emerge no Brasil, interpretando o desejo de mudança tantas vezes manifestado por milhões de pessoas, encontrará também em São Paulo sua legítima expressão.

Marina Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário